Página 3

Notícias Balneário Camboriú

Publicidade

Há alunos da escola Higino Pio estudando no chão (atualizada)

Publicidade

Publicidade

Gabriel Felipe
Não há carteiras para todos os alunos
Não há carteiras para todos os alunos

A recém inaugurada escola Higino João Pio, no Bairro das Nações, já comporta cerca de 850 alunos, mas ainda não tem carteiras para todos. A reclamação vem de pais, alunos e professores, que estão mobilizando um ato público para a manhã desta quinta-feira, em frente ao colégio.

Segundo a professora Mariani Fátima Andrade Viecili uma reunião será realizada com os pais na noite desta quarta-feira, às 19h, no colégio.

Desde o dia 26 de fevereiro a unidade está funcionando. Todos os alunos da escola Laureano Pacheco foram transferidos para a nova escola, além dos novos, matriculados para o técnico profissionalizante, que funciona em período semi-integral, de manhã e algumas tardes.

A direção teve que iniciar o revezamento de turmas para que alunos não fiquem no chão. Hoje (13) estudantes produziram cartazes pedindo atenção da Agência de Desenvolvimento Regional.

A gerente de Educação, Cleonice Monteiro Berejuk, explica que o mobiliário existente foi todo remanejado do Laureano, mas não foi suficiente.

De acordo com a gestora, a Secretaria de Educação fez só uma licitação para as escolas novas e a previsão era que o mobiliário já tivesse chegado, porém devido à burocracia dos trâmites, as autorizações de fornecimento começaram a sair só na semana passada.

*Atualizado às 13h35: a assessoria da ADR Itajaí informou que o mobiliário do auditório do João Goulart será cedido até a chegada das novas carteiras.

"Estamos pedindo desde março que a escola estivesse mobiliada, mas chegamos aqui só com promessas, os alunos estão revoltados", relatou a educadora Mariani.

Reenturmação

A comunidade escolar também reclama que professores ACTs serão dispensados e salas poderão ficar superlotadas. Cleonice argumentou que quando as turmas foram criadas, as matrículas foram feitas com base no tamanho das salas de aula do Laureano Pacheco, que comportavam 30 alunos.

Nas novas, a capacidade é para 40 estudantes. Por causa disso, será feita a reenturmação. Há turmas, por exemplo, com apenas sete alunos, quando poderia ser mesclada com outra turma e assim economizar recursos públicos.

Calorão 

Os professores contam que ainda não há internet em toda a unidade. Há também reclamações quanto ao calor. A escola foi projetada para aproveitar a luz solar e há muitos vidros, porém com o calor fica difícil dar aula sem desconforto.

A gerente de Educação alega que o projeto das escolas novas não comportava ar-condicionado, entretanto essa adaptação será feita e os equipamentos já estão sendo adquiridos.

Terça, 13/3/2018 10:29.
Voltar

Publicidade